banner sxsw2

[SXSW] Programando com propósito: como o design tá transformando a engenharia de software

Antes de trabalhar na Social Miner, trabalhei em uma redação de revista. Lá, a organização, além de hierárquica, era bem dividida em funções – o pessoal que escrevia, o pessoal que cuidava das estratégias digitais (essa era minha função), o pessoal que editava, o pessoal que revisava o texto, o pessoal do design e o pessoal do TI.  

Quem vêm de um mercado mais engessado ou de empresas mais tradicionais sabe que, por lá, cada um fica no seu quadrado. Os designers entendem de coisas bonitas. Os programadores entendem de como fazer as coisas bonitas funcionarem. Mas e se os programadores pudessem aprender com designers? E os designers, com programadores? Esse foi o tema de uma das palestras mais interessantes que assistimos no SXSW 2017, “Programming with Purpose”.

Hoje, os engenheiros se intitulam como “resolvedor de problemas’”. Mas acabam focando tanto nisso que se esquecem de entender o propósito do que fazem. E acabam não levando em conta que, no fim, todos aqueles códigos nada mais são que soluções pra problemas reais de pessoas reais. É por isso que, entre os programadores mais antenados, a palavra de ordem do momento é “design” – e isso tá transformando toda a programação.

Designers sempre levam em conta como a arte ou o layout de um produto vai ser recebido pelo usuário final. Eles também têm facilidade de entender o propósito do que fazem e o objetivo final de cada tarefa. Designers entendem que o resultado do trabalho que tão fazendo não é “terminar um banner”, mas “vender mais”. Ou que “terminar a tela de início da plataforma” não é a tarefa que precisam desempenhar, mas “tornar a navegação do usuário mais intuitiva”.

Pros engenheiros, pensar nesse formato não é algo tão natural. Isso porque fazer algo bonito, fantástico e flat não casa muito com a ideia que os próprios programadores têm da sua função. Por natureza, programadores são pessoas mais pragmáticas, metódicas, mais preocupados com os códigos e menos preocupados com o lado business. A galera que trabalha com tecnologia já tá acostumada com uma interface mais próxima entre as duas áreas – até porque existem gerentes de produto e UX responsáveis por fazer essa junção -, mas, pra maioria dos engenheiros, essa ideia de incluir a visão do designer na programação ainda é nova.

Vamos fazer um teste: pergunte pro seu time de engenharia qual o valor da ferramenta que eles tão produzindo pro mercado. As chances de você ficar sem resposta são grandes, principalmente no caso de produtos mais elaborados e soluções SaaS mais complexas.

Esse distanciamento não é culpa dos engenheiros. A faculdade já incentiva pouco a visão empreendedora e, no trabalho, como raramente ficam no front ou têm acesso aos consumidores finais do que produzem, os engenheiros acabam perdendo a visão de negócio. Mas é dever de toda empresa tentar estimular isso e ajudar seus programadores a entender que, por trás de cada linha de código que escrevem, existe um propósito 😊

A ideia é que o cara que trabalha programando um site de streaming entenda que o propósito do trabalho dele não é criar uma nova funcionalidade pro Netflix, por exemplo, mas deixar o dia de alguém que chegou em casa cansado do trabalho mais leve. Ou que criar um aplicativo de delivery não tem a finalidade de criar uma plataforma de entrega de comida, mas um app para ajudar pessoas que estão com fome a receber algo mais rápido. Entendendo esse propósito, fica mais fácil pensar em soluções que ajudem as pessoas a atingirem seus objetivos.

Algumas perguntas podem ser usadas de guia pro engenheiro que quer programar com propósito:

  • Eu entendo a missão do meu negócio? Como contribuo com isso?
  • O que essa nova feature que estou criando vai trazer pros usuários finais? E, se esse é o objetivo dela, quais são as principais características que preciso entregar?
  • Por que estou fazendo o que estou fazendo?
  • Quais os principais problemas que os usuários do meu produto passam? Como posso ajudar a resolve-los?

Fica a lição de casa pros programadores e pras empresas de tecnologia 🙂

Comments

comments

Publicado por

Bruna Estevanin

Apaixonada por viagens, livros e tecnologia. Já trabalhou na Revista IstoÉ, no Facebook e hoje é Analista de Marketing na Social Miner.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *