18 métricas de redes sociais essenciais para o seu negócio

18 métricas de redes sociais essenciais para o seu negócio

Escolher as métricas de redes sociais mais essenciais é determinante para as empresas que valorizam cada centavo do seu orçamento de marketing.

Mas, será que todas essas empresas realmente têm um orçamento de marketing e reservam uma parte dele para as redes sociais?

É comum encontrar gestores indecisos, que pouco investem em seus perfis sociais e, por isso, não veem resultados. Ou, aqueles afoitos, que querem estar em todas e saem patrocinando cada inserção sem critério e, por consequência, acabam gastando mais do que deviam.

Essas experiências são frustrantes pelo prejuízo e ausência de resultados. Mas também só acontecem porque não existe um planejamento estratégico e meios para avaliá-lo. E é aí que entram as métricas das redes sociais.

Neste post trazemos as 18 métricas de redes sociais essenciais para o seu negócio.

Com elas, sua empresa pode realizar ou, até mesmo, revisar o planejamento estratégico de marketing para Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e LinkedIn. Afinal de contas, são essas taxas que apontarão se suas ações estão indo na direção certa, não é mesmo?

Para o Facebook

Segundo a Social Media Trend 2018, o Facebook continua sendo a rede mais utilizada pelas empresas, com um total de 98,8% de presença.

E como ferramenta para gestão do relacionamento com clientes, precisa que suas campanhas e postagens estejam sempre direcionando o lead para o passo seguinte.

1. Conversões realizadas
Sendo essa uma de suas funções, as interações realizadas no Facebook devem possui call-to-actions (CTA) que ajudem os leads a avançarem em suas jornadas.

Sendo assim, saber se estratégia está sendo bem realizada é fundamental e a métrica que apura as conversões realizadas é ideal para isso.

As conversões podem ser de venda no próprio canal, já que o Facebook oferece essa solução, ou de clique para o direcionamento para o ecommerce, por exemplo.

2. Custo por Clique (CPC)
O CPC é obtido fazendo a média do custo de um anúncio pelo número de cliques gerados. É uma métrica financeira que já oferece uma contribuição relevante para o controle do planejamento.

Porém, quando avaliada em conjunto com a taxa de cliques (CTR), oferece uma perspectiva de qualidade do anúncio utilizado.

Se o CPC está alto, significa que, mesmo investindo em seu impulsionamento para o público, poucos estão se interessando em clicar no post.

O conteúdo não está atraente? O CTA não está claro? A segmentação do público foi inadequada? Essas são algumas perguntas que a analise do CPC e CTR podem responder.

3. Engajamento
Determina o volume e a qualidade das interações dos usuários com os conteúdos publicados, a marca e a página do Facebook.

Cliques, curtidas, comentários e compartilhamentos são algumas das respostas que os usuários podem dar, sendo alguns mais relevantes do que outros.

As curtidas demonstram uma certa proximidade se o que está sendo abordado é do interesse da sua persona.

Comentários podem demonstrar o interesse do usuário de expressar sua opinião ou tirar uma dúvida, o que já é um avanço maior, assim como o compartilhamento, que demonstra sintonia com o conteúdo e desejo de promovê-lo em sua rede.

O engajamento é a métrica mais importante para a sua página. É ela que determinará o volume de alcance das suas atividades entre os seus fãs.

Se seu engajamento é baixo, seu alcance também será e, consequentemente, menos pessoas saberão sobre a sua marca.

4. Alcance
O alcance acompanha o número de pessoas que visualizaram uma publicação.

Sua relevância é ainda maior quando é feita a separação entre alcance orgânico e pago, pois permite contabilizar, posteriormente, o retorno sobre o investimento realizado.

Com base nessas métricas é possível comparar o desempenho de todas as publicações, fazer ajustes em seus conteúdos e, até mesmo, nos investimentos em cada uma delas.

Em outras palavras, permite otimizar a página do Facebook.

Para o Twitter

O Twitter é uma rede social com um perfil totalmente diferente do Facebook. Então, para utilizá-la como canal da empresa, é preciso primeiramente saber se o seu público-alvo usa a mídia com frequência.

Suas métricas principais são:

5. Quantidade de retweets
Assim como o compartilhamento do Facebook, os retweets representam que o usuário curtiu o conteúdo e deseja distribuí-lo para sua rede.

Como consequência, a mensagem é transmitida para pessoas com perfis similares, e claro, ganha notoriedade na rede.

6. Participação em listas
Quando alguém adiciona um perfil à sua lista, está priorizando aquele conteúdo acima dos demais.

Ou seja, quanto maior a participação em listas dos usuários do Twitter, mais relevante uma empresa é para seu público-alvo.

7. Tipo de audiência atraída
Com personas bem definidas, é evidente que a equipe de marketing sabe quais são seus interesses e necessidades.

Assim, analisar o tipo de audiência que o perfil do Twitter está atraindo é essencial para garantir que seu conteúdo e interações estejam bem segmentadas e direcionadas.

8. Engajamento com a empresa
Engajamento é a constatação de que o público e a empresa estão conectados e, no Twitter, existem várias maneiras de demonstrar isso. Algumas delas são:

  • uso de hashtags da empresa;
  • quantidade de cliques nos links divulgados;
  • links e menções que levam ao perfil da empresa;
  • e compartilhamentos do post.

Para o Instagram

Com forte apelo para as imagens, o Instagram passou por mudanças relevantes nos últimos tempos, como o lançamento dos stories e, mais recentemente, do IGTV. Para acompanhar seu desempenho, as melhores métricas são:

9. Taxa de crescimento de seguidores
É preciso ressaltar que a ideia por trás dessa métrica não é olhar exclusivamente para o número de seguidores do perfil, mas a forma como a base está crescendo. Ela demonstra se um perfil está ganhando mais visibilidade ou está estagnado, por exemplo.

Basicamente é obtido pela porcentagem do número de seguidores no final do período estabelecido, comparado com aquele do início. Assim, se no início do mês uma empresa tinha 10.000 seguidores e ao final dele passou a ter 15.000, seu percentual de crescimento foi de 50%.

É um dado relevante, principalmente se avaliado historicamente. Se nos meses seguintes esse percentual se mantém ou aumenta, significa que a popularidade da empresa está crescendo com consistência.

10. Engajamento com o conteúdo
Se, isolado, o número de seguidores não representa muito, a forma como a base interage com o seu conteúdo significa muito, sim.

Número de curtidas nas publicações, marcar localização, comentários, cliques, aquisições pela loja do Instagram e, inclusive, o número de vezes que um conteúdo foi salvo na coleção dos usuários são métricas importantes.

11. Hashtags mais utilizadas
Usar hashtags é uma parte essencial para a estratégia de marketing no Instagram. Elas auxiliam o público a localizar conteúdos que são do seu interesse e também a divulgá-los.

Assim, é preciso acompanhar aquelas que estão sendo mais utilizadas e compartilhadas pelos seguidores.

Além disso, como a plataforma encoraja o uso de mais de uma hashtag por postagem, seu acompanhamento permite avaliar quais delas impulsionaram mais eficientemente cada tipo de conteúdo.

Fazer relações com outras métricas também é fundamental, especialmente com aquelas que medem o engajamento.

Hashtags com maior incidência de comentários podem ser usadas para um conteúdo de interação, enquanto aquelas com melhor performance de cliques devem ser usadas para divulgar promoções, novos produtos ou a loja virtual da empresa, por exemplo.

12. Desempenho das publicações em horários e dias específicos
Acompanhar o desempenho das publicações em cada horário e dia também permite que a empresa identifique o padrão de uso do seu público.

Criar e fazer publicações quando a maioria dos usuários estão online é muito mais valioso para gerar engajamento.

Também é preciso considerar as visualizações dos stories ou quantos seguidores estiveram online em uma transmissão ao vivo, por exemplo.

Para o Youtube

Como as demais redes sociais, o Youtube tem as métricas de engajamento no topo de suas prioridades. Mas outros elementos também devem ser acompanhados.

13. Minutos assistidos e seu percentual
Mais do que a quantidade de visualizações ou o número de inscritos no canal, o montante de minutos assistidos determina a qualidade do conteúdo.

Além disso, essa também é uma meta histórica. Ou seja, é analisada enquanto os vídeos do canal estiverem disponíveis. Portanto, se no primeiro mês de análise seu canal teve 6000 horas de visualização, mas no seguinte apenas 2000, uma perda de 66,66% é contabilizada.

14. Drop-offs ou desistência antes do fim dos vídeos
Um vídeo é feito para transmitir uma informação e, se é interrompido no meio, não cumpre seu objetivo.

A métrica de interrupção de vídeos deve ser acompanhada justamente para evitar que isso aconteça. Avaliando esse número, combinado a outros dados, é possível identificar se o problema está no conteúdo, hospedagem ou no dispositivo utilizado pelo usuário, por exemplo.

15. Número de inscritos, curtidas e compartilhamentos
As métricas de engajamento podem ser dados brutos utilizados em análises mais complexas.

Entre elas estão o número de inscritos no canal do Youtube, visualizações, curtidas em cada vídeo e eventuais compartilhamentos.

Se um canal possui um grande número de inscritos, mas poucas visualizações e interações em seus vídeos, a estratégia de marketing precisa ser repensada.

Para o LinkedIn

Por último, na rede social focada no mundo business, as métricas também possuem relação com o engajamento. As principais são:

16. Conversões
Na mesma proposta da eficiência do CTA do Facebook, acompanhar as conversões no LinkedIn é essencial.

Isso pode significar o número de currículos recebidos, leads gerados para a próxima etapa do funil, etc.

17. Perfil do público que visita a página da empresa
Visitantes do perfil da empresa podem ser mapeados demograficamente, por exemplo. O cargo que ocupam e setor em que trabalham também podem ser quantificados.

18. Engajamento geral
O engajamento pode ser avaliado pelo número de comentários, compartilhamentos, seguidores conquistados por cada postagem, etc.

Essas taxas também servem de base para análises mais complexas, inclusive do conteúdo das publicações e, até mesmo, se uma oferta de emprego está atraente ou não.

No entanto, contabilizar o número de seguidores, isoladamente, não tem quase nenhuma importância para o sucesso da rede social. Algumas métricas de redes sociais são utilizadas puramente para massagear o ego das empresas, ou, dos profissionais de marketing que gerenciam suas campanhas e ainda é comum ver essas taxas priorizadas em estratégias e campanhas. Alguns perfis até fazem postagens comemorativas.

Ou seja: é preciso ter muita cautela. Antes de qualquer número ou grau de performance, a relação e a experiência dos clientes, seja na compra, seja nas redes sociais, é que deve estar em foco.

É importante se atentar para tais números, mas deixar claro que as redes sociais gerenciadas têm objetivos claros e que gerar negócios e engajar clientes são os principais deles.

Gostou do conteúdo? Continue aprendendo com nosso conteúdo Branding: como fazer uma incrível gestão de marca!

Conteúdo produzido pela equipe da Rock Content!

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *