Como vender por e-mail conteúdo humanizado rende CTR 5x mais alto

E-mail Humanizado rende taxas de clique até 5x mais altas

Hoje as empresas contam com tantos canais para se relacionar virtualmente com os clientes – redes sociais, notificações nos navegadores, messenger, chats – que é natural que as marcas mais antenadas questionem a eficiência dos tão conhecidos e-mails.

Longe de mim dizer que elas abram mão de usar a ferramenta. Pelo contrário. De acordo com o E-mail Marketing Trends, da Rock Content, 76,7% das empresas que participaram da pesquisa adotam estratégias de e-mail marketing. No entanto as marcas precisam ficar de olho em como usam o canal para falar com o público.

Uma pesquisa da MarketingSherpa aponta que o recebimento de muitos e-mails irrelevantes ou que sempre tentam vender alguma coisa estão entre as principais razões para que as pessoas cancelem a sua inscrição nas listas de e-mail das empresas.

Para evitar isso, em geral os negócios ou se apegam ao modelo tradicional de se comunicar, para não se arriscar, ou investem em mil e um formatos mirabolantes, na esperança de dar um tom diferente ao canal e se destacar.

E qual estratégia é mais vantajosa? Bom, quem não se arrisca pode até manter suas taxas estáveis, mas (como diz o ditado) também “não petisca” e perde a chance de melhorar a performance. Já quem se aventura com os e-mails #diferentões, acaba dedicando muitos recursos para tarefa, tornando o processo insustentável no longo prazo e tendo que lidar com a inconsistência no processo.

Mas então, o e-mail não tem futuro?

Pelo contrário. Como a gente disse, o e-mail é aquele canal que apesar tudo, ainda vive. Ele acompanhou as transformações da internet e do marketing digital e, veja bem, superou o infame SPAM(!). E isso não é pouco, numa era em que ninguém aceita e, muitas vezes, prefere até pagar para não ter que lidar com propagandas indesejadas.

De acordo com a MarketingSherpa, 72% dos consumidores optam por receber mensagens de marcas e empresas via e-mail. Além do que, o canal ainda é a chave para nos identificarmos nos ambientes virtuais. Ele é requisito para qualquer cadastro, seja para fazer uma compra online, seja para oficializar o envio e recebimento de dados importantes, de documentos e contratos…

E como tornar o e-mail melhor e mais rentável?

O que faltava no mercado era uma opção realista, que oferecesse algo original para os consumidores, mas que fosse, ao mesmo tempo, escalável para as empresas, atendendo a demanda, sem sugar tantos recursos.

Essa é, aliás, uma das principais reclamações das organizações: quem não aposta no e-mail marketing justifica esse abandono principalmente pela falta de uma equipe para tocar a estratégia ou do dinheiro para colocar no projeto.

Então, para sobreviver no mercado o e-mail precisou também se reinventar, ficar mais humano. O canal está cada vez mais personalizado, sendo usado para distribuir conteúdos alinhados com o que as pessoas precisam e desejam, apresentando, por sua vez, mais potencial de conversão para as empresas. O que, no fim, é o que interessa aos clientes e aos negócios, não é mesmo?

O E-mail Humanizado

De acordo com o E-mail Marketing Trends de 2017, segmentação e otimização da base são as principais ações tomadas pelas empresas para aumentar o engajamento do público com os e-mails. E isso acontece não é à toa. Afinal, que e-mail geraria uma melhor resposta sua: aquele genérico, que traz produtos que você nunca sequer pesquisou sobre, ou aquele que mostra os seus favoritos e traz novidades bem alinhadas com as suas preferências?

Segundo a Convince&Convert, não adianta ter uma lista de contatos gigantesca se essas pessoas não engajam com a sua marca. 67% desse público, aliás, se descadastra das bases das empresas porque recebem conteúdos irrelevantes constantemente.

Por isso o ponto central do E-mail Humanizado é a experiência do seu consumidor: entregar para ele o que ele busca e precisa, sem ficar empurrando produtos. Nesse contexto, faz muito mais sentido basear o que você vai enviar para os consumidores no comportamento de cada pessoa em vez de criar audiências simples.

E é aqui que a tecnologia entra, tornando essa tarefa de entender os desejos de cada consumidor algo possível e escalável. Já existem algumas ferramentas que ajudam a sua marca a cadastrar visitantes e mapear o perfil de compra dessas pessoas. Esses insights servem para guiar as campanhas de e-mail marketing, potencializando suas estratégias de segmentação de público.

Aqui na Social Miner, por exemplo, nossa plataforma conta com vários canais de engajamento em que as marcas podem se comunicar com os usuários, convidando para o cadastro e recebendo a autorização dos consumidores para acompanhar seus dados de navegação. Dessa forma conseguimos entender que tipo de conteúdo interessa aquela pessoa e os produtos que ele costuma visitar.

Só que a gente vai um passo além: conforme as pessoas engajam com os nossos canais, clicando nas mensagens dentro e fora do site, vamos aprendendo cada vez mais sobre o seu perfil. Isso faz com que a gente consiga ver cada consumidor com exclusividade, entendendo suas motivações e comportamentos particulares.

Vantagens do E-mail Humanizado

A principal grande vantagem do E-mail Humanizado é que usamos os dados de comportamento dos usuários para otimizar a operação e automatizar o envio de campanhas. Essa automação, aliada à camada de inteligência, gera taxas de abertura de até 28% e taxas de clique (CTR) até 5 vezes mais altas que a média do mercado.

O entendimento de que uma visão mais humanizada do público, que leva em consideração o seu momento na Jornada de Compra, é um dos pilares do People Marketing. É por isso, aliás, que nossos e-mails contam somente com campanhas automáticas.

Pensa com a gente: receber um e-mail baseado no seu comportamento de navegação é, com certeza, muito mais amigável e com muito mais potencial de conversão do que ser apresentado pela primeira vez a um conteúdo ou produto.

Ou seja, já existe uma expectativa do usuário em relação àquela mensagem, uma vez que ele já buscou ou até mesmo comprou algo relacionado com aquele conteúdo que vai chegar para ele por e-mail.

Outro benefício da ferramenta é que o E-mail Humanizado da nossa plataforma conta com uma estrutura de layout totalmente diferente, como se fosse um chat, uma conversa através de uma plataforma online.

Quer ter acesso a esse conteúdo em PDF?

É só clicar aqui para baixar 🙂

Campanhas

Dentro do E-mail Humanizado, contamos com diferentes segmentos de campanhas, que focam nas principais fases da Jornada de Compra dos visitantes de um site.

Ou seja: o canal pode ser usado pela marca desde os primeiros momentos da jornada, quando as pessoas ainda estão considerando a compra e avaliando opções de produtos, até o momento de decisão, em que os consumidores estão prontos para conversão e o papel da sua empresa é criar oportunidades de venda junto a essas pessoas, levando novidades e quem sabe até descontos.

Para conhecer os diferentes tipos de campanhas automáticas para o E-mail Humanizado e como elas se aplicam as diferentes fases da jornada, que tal um exemplo?

A história da Mari – um cenário

A Mari é compradora assídua de e-commerces. Ela ama. É tipo Natal, só que melhor: primeiro a alegria de fazer uma compra, depois a alegria de receber o pacote em casa. Ela sempre comprou roupas e sapatos online. Só que agora a Mari foi morar sozinha e a sua mais nova NECESSIDADE é uma pipoqueira elétrica.

Por incrível que pareça, a Mari nunca tinha comprado eletrodomésticos na internet. Então, quando ela começou a pesquisar, chegou bem crua aos sites. Ela tinha, claro, algumas marcas na memória, como referência. Mas, com certeza, os reviews de outros consumidores e boas ofertas fizeram uma boa diferença na hora de escolher as lojas para entrar.

Depois de dar uma navegada em alguns produtos de um site, em específico, a Mari já ia fechar a janela quando recebeu uma notificação para se cadastrar no site. A campanha oferecia 15% de desconto na primeira compra e ela não resistiu: compartilhou seu e-mail para receber mais novidades da marca.

Acontece que aquela empresa usa nossa plataforma e a mensagem que a Mari recebeu e engajou abriu mais um canal de comunicação entre ela e a marca: o E-mail Humanizado

O primeiro contato de e-mail a gente nunca esquece – bem-vindo

A Mari quer muito uma pipoqueira elétrica e, quando um site ofereceu um desconto bacana na primeira compra, ela não perdeu tempo e se cadastrou. Afinal, vai que ela decide comprar com essa loja.

Depois de um tempo pesquisando o eletrodoméstico em diversas páginas, a Mari se distraiu com outras comprinhas (uma blusa super charmosa na sua loja de roupas favorita) e esqueceu da pipoqueira.

Só que não demorou muito para ela receber um e-mail da marca em que ela se cadastrou mais cedo. Eles estavam dando as boas-vindas e lembrando sobre o desconto que ela tinha ganhado.

Exemplo de campanha de boas-vindas mostra como vender por e-mail com humanização

Isso foi suficiente para a Mari voltar à sua pesquisa – foca na pipoqueira, Mari! – e visitar o produto mais uma vez. Ela leu uns reviews dos modelos, no dia seguinte deu uma selecionada nos que gostou mais e num terceiro dia conseguiu reduzir a sua lista para só duas opções. Mas ainda assim não conseguiu se decidir e acabou deixando para depois mais uma vez.

Os favoritos – frequência

Uma semaninha depois, enquanto estava dando uma lida nos seus e-mails pessoais, não é que a Mari encontrou uma mensagem daquela mesma loja, em que ela se cadastrou, na sua caixa de entrada? No texto, a marca a lembrava que aqueles produtos favoritos – isto é, os modelos de pipoqueira que ela visitou e revisitou nos últimos dias – estavam lá, esperando por ela.

Exemplo de campanha de frequência mostra como vender por e-mail com humanização

O desejo de comer pipoca foi quase que instantâneo e a Mari retomou sua pesquisa, escolheu o modelo vintage (com listras vermelhas e brancas) e colocou seu produto na sacola. Só que “poxa, cadê meu cartão? Onde foi que eu deixei minha carteira? Ai meu pai, não vejo ela desde ontem? Quê que eu fiz mesmo depois de pagar o delivery?”.

A confusão entre achar que tinha perdido o cartão e depois encontrar ele em cima da geladeira da cozinha foi tão grande que a pipoqueira foi esquecida no carrinho e a compra ficou para depois, mas não por muito tempo…

Enchendo a sacola – carrinho

É que, logo mais tarde a Mari recebeu outro e-mail, lembrando sobre a pipoqueira que ficou lá no carrinho.

Exemplo de campanha de carrinho mostra como vender por e-mail com humanização

Era o empurrãozinho na memória que ela precisava. Aliviada de ter encontrado o cartão, ela sentiu que merecia esse mimo e fechou a compra.

A pipoqueira chegou em 5 dias, superando as expectativas do prazo de entrega e a Mari era só alegria no fim de semana, comendo pipoca quentinha, assistindo os clássicos da comédia dos anos 1990 e tomando guaraná.

Volta aqui – resgate

Mas como a gente sabe, quem acaba de ir morar sozinho, está sempre precisando de alguma coisa. Por isso a Mari visitou o site da pipoqueira ainda algumas vezes… Com o tempo, à medida que a casa foi ficando equipada, ela foi diminuindo a frequência das visitas. Mas nem por isso ela esqueceu da marca.

Exemplo de campanha de resgate mostra como vender por e-mail com humanização

É que vez ou outra, sempre que eles tinham novidades que têm a ver com o que a Mari gosta, eles mandavam um e-mail bacana pra ela. Ela curte essa lembrança e recomenda a marca para os amigos sempre que tem a chance.

Conclusão

Sim, a gente entende que a experiência do consumidor com a sua marca é multicanal. Ninguém se relaciona com um site só via chat, redes sociais ou e-mail. Mas o E-mail Humanizado é um grande protagonista dessa relação.

Ele é extremamente pessoal e, quando usado com uma boa estratégia, que leve em conta os desejos e necessidades de cada usuário, garante alta performance e um forte incremento nas vendas das marcas.

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *