Coleta de dados: auxílio na obtenção de novos clientes clientes

Coleta de dados: auxílio na obtenção de novos clientes

 

Como a coleta de dados pode contribuir com estratégias mais assertivas e eficientes? Confira nossas dicas!

Milhares de dados são gerados por minuto na internet. Informações de diversas pessoas e vindas das mais variadas fontes circulam no mundo online sem filtro nem pausa.

Segundo infográfico do Data Never Sleeps, de 2020, 147 mil fotos são publicadas no Facebook e 41 milhões de mensagens são trocadas no WhatsApp por minuto. Mas essas são apenas algumas das informações que são geradas e atualizadas pelos usuários diariamente. 

Essa geração de dados está por toda a internet e pode ser muito valiosa para quem souber usá-la. Mas como deve ser o procedimento na  coleta, armazenamento e análise destas informações? O que muda com a nova Lei Geral de Proteção de Dados? 

Vamos conferir essas respostas juntos!

O que é a coleta de dados?

A coleta de dados é basicamente a captação de informações geradas pelos usuários na internet. Existem diversas formas de realizar essa captação – algo que vamos comentar  mais adiante. No entanto, a parte mais importante após o armazenamento é entender como será feita a análise dessas informações.

Segundo especialistas, estamos vivendo hoje a era dos dados, na qual todas as estratégias e ações são guiadas por essas informações. Por isso, essa coleta tornou-se tão importante para as empresas e mudou a forma como os negócios estruturam suas estratégias.

E, se milhões de dados são gerados por minuto, é preciso estar atento à chegada e impacto dessas informações na saúde da empresa

Surge então a necessidade de contar com um time especializado em dados, além do apoio de uma ferramenta de inteligência para otimizar os esforços e maximizar resultados, concorda?

Qual a importância da coleta de dados?

Por que devemos coletar dados e analisá-los de acordo com nossa estratégia?
Por que devemos coletar dados e analisá-los de acordo com nossa estratégia?

Estamos na era dos dados, lembra? 

Essas informações são extremamente valiosas para as empresas. É através dos dados gerados pelos usuários que você conseguirá estruturar suas estratégias de forma assertiva e eficiente, otimizando investimentos e personalizando ações junto ao público. 

Vamos supor que, na pretensão de entender a jornada de compra dos seus usuários, sua empresa esteja acompanhando o comportamento online desses visitantes – o que consomem, que páginas visitam, com que frequência. 

Para isso, você tem o site da empresa, investiu em marketing de conteúdo para as redes sociais, criou uma landing page específica para determinado assunto, com o intuito de educar o público sobre a área de atuação do seu produto. 

Com a autorização dos usuários – via opt-in, por exemplo – e apenas estes canais citados acima, você conseguirá entender: 

 

  • Quais as áreas mais acessadas do seu site;
  • O que está sendo colocado no carrinho;
  • Quais produtos foram clicados, mas declinados;
  • O que os usuários procuraram no site;
  • Através de qual dispositivo os visitantes acessaram;
  • Qual a região de quem acessou;
  • Quais as publicações das redes sociais mais interessaram os usuários – e se coincidem com o conteúdo mais procurado no site;
  • O gênero de quem interage com os seus posts;
  • Os dias e horários que concentram mais pessoas nas suas redes sociais; 
  • Quem quer consumir o seu conteúdo educacional;
  • Se a sua empresa foi compartilhada ou indicada para um amigo, por exemplo;
  • Entre outras informações.

 

 

Lembre-se que estamos falando apenas de três canais: site, redes sociais e landing page. Quando falamos de campanhas digitais e estratégias com e-mail marketing, por exemplo, as possibilidades de informações são ainda maiores e mais variadas.

Com todas essas informações, você consegue entender o que funciona para a sua marca; otimizar o que está indo bem, mas pode melhorar; atualizar o que precisa ser ajustado; e remover o que não traz retorno.

Esse é um processo cíclico, as melhorias são constantes, para aprimorar cada vez mais a experiência do usuário e oferecer o que ele procura, de acordo com o seu próprio feedback.

Como fazer coleta de dados?

Como dissemos anteriormente, existem diversas formas de realizar a captação desses dados. As próprias ferramentas das redes sociais trazem diversas informações que podem orientar estratégias. O Google Analytics é outro recurso que dá insights sobre o comportamento dos visitantes no site, que também podem ser usados para desenhar ações de marketing. 

E existem ainda plataformas de inteligência especializadas, como as da All iN e Social Miner, que permitem coletar dados e lançar campanhas automáticas personalizadas, com base no comportamento dos consumidores, mantendo o engajamento através de canais: 

Entre outras

É importante lembrar que você pode receber dados brutos de algumas ações. Por isso, a importância de ter uma inteligência focada em analisar esses dados e entender quais insights podem ser extraídos para ajudar no seu negócio.

Nem todos os dados são relevantes para a sua marca ou para a sua estratégia naquele momento. Então, é imprescindível ter um objetivo bem definido para conseguir compreender o que é relevante para a empresa.

Sabendo quais são as suas possibilidades para coletar dados, você precisa entender onde investir esforços: a sua persona é mais adepta ao e-mail marketing ou as redes sociais? Ela costuma interagir com as suas landing pages e formulários? 

Tendo essas respostas você conseguirá estruturar uma jornada assertiva para coletar dados relevantes para o momento do seu negócio.

Coleta de dados x LGPD

Coletar dados é importante, mas fique de olho porque a nova LGPD já está em vigor e precisamos segui-la para termos uma coleta de dados coerente com a legislação.
Coletar dados é importante, mas fique de olho porque a nova LGPD já está em vigor e precisamos segui-la para termos uma coleta de dados coerente com a legislação.

Com a Lei Geral de Proteção de Dados em vigor, muitas empresas ficaram assustadas e até receosas com a coleta de dados. Entretanto, ainda é perfeitamente normal fazer essa captação.

A diferença é que agora existem algumas regras que devem ser cumpridas para garantir a segurança da empresa e principalmente dos dados dos usuários. Por exemplo: você precisa informar os usuários sobre quais dados pretende coletar, como e quando eles serão usados, e com que finalidade

E se a venda ou compartilhamento de dados já era uma prática mal vista, agora está sujeita a graves penalidades. 

Ou seja, você ainda pode coletar os dados, mas para implementar essa prática precisa estar em acordo com a lei, colocando uma política de privacidade clara e acessível para os seus consumidores no site, por exemplo.

Se quiser saber mais sobre o funcionamento da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), preparamos um e-book completo, com tudo o que você precisa. Tá aqui.

Bom, como vimos, a coleta de dados é fundamental para entender seu público, medir resultados, otimizar estratégias e, em último grau, melhorar a experiência do seu cliente e conquistar novos, aumentando as vendas.

Curtiu a ideia? Conte com a gente

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *